É hora da história! Olhinhos vidrados, aquela ansiedade no ar… Como fazer que essa atenção permaneça durante o processo de contar? Como fazer para que o brilho no olhar não se perca?

Cada um conta histórias do seu jeito. Alguns apenas transmitem o que já escutaram e aprenderam, outros buscam formações em cursos e livros. Independente disso, é importante atentar para algumas dicas que separamos:

 

1- Escolha uma história da qual você também goste

O mais importante é que a criança veja verdade no que você está contando. Então a primeira premissa é escolher uma história com a qual você se identifique.  Seja ela de domínio público, vinda de um livro ou de sua autoria.

2 – Aprenda a história previamente

Mesmo que você esteja lendo o livro, aprenda primeiro a história. Isso lhe dará mais segurança na hora de contá-la. Experimente fazer um roteiro com os momentos-chave da narrativa, aqueles momentos que não podem deixar de ser contados. Assim você não precisa decorá-la frase a frase, e pode preencher o restante da história contando do seu jeito, com suas frases.

3 – Decida quais recursos usar

Depois de aprender a história, escolha os recursos que vai utilizar como suporte para sua contação. Como recursos entenda: fantoches, figurino, um livro para leitura, instrumentos musicais… Tudo aquilo que puder lhe ajudar a ilustrar melhor o que você está contando.

4 – Organize a utilização dos recursos

Pense como você vai apresentá-los ao longo da história. Um recurso, como um fantoche, só deve ser apresentado na hora em que ele é inserido na história. Se ele ficar exposto antes disso pode tirar a atenção das crianças. Então imagine formas de ir apresentando os recursos – muitos contadores utilizam uma mala de onde tiram os recursos que precisam. Mas também pode ser um saco, uma bolsa, qualquer coisa que os esconda até a hora de serem revelados.

5 – Decida o espaço a ser utilizado

O espaço físico também é um recurso, e você deve pensar seriamente nele. A escolha de um espaço errado pode inviabilizar a sua história. Imagine, por exemplo, contar uma história na quadra do seu colégio, sem uma caixa amplificada. Rapidamente os pequenos perderão a atenção. O espaço deve ser silencioso o suficiente para que as crianças mantenham a concentração. A disposição das crianças também é importante: podem ficar em roda, ou em formato de “U”, ou todas em frente a você… O importante é que todas possam enxergar e ouvir o que está sendo contado.

6 – Pense em músicas para entremear as partes da narrativa

Tudo com música fica melhor. Pense em músicas que podem servir como ganchos entre uma parte da narrativa e outra. Também imagine fundos musicais e efeitos sonoros para embalar a sua contação. Só tenha cuidado para que o fundo musical ou efeitos não fiquem mais altos do que sua voz, impedindo o bom entendimento do que está sendo contado.

7 – Utilize caixa de som e microfone quando necessário

Na hora da escolha do espaço a ser utilizado você já consegue imaginar a necessidade ou não da utilização de som e microfone. Uma história só pode ser gritada se o personagem assim o pede. Então, se você estiver forçando demais a voz, significa que é necessário amplificar a emissão de sua voz. Para manter as suas mãos livres o microfone ideal é do tipo “headset”, microfone de cabeça, igual aos que os cantores pop usam.

8 – Olhe nos olhos de sua audiência

O contato visual é muito importante, ainda mais para reforçar a força das palavras. Os fantoches também devem “olhar” para o público.

9 – Trabalhe a entonação, ritmo e dicção

Evite contar muito lentamente, dispersando a atenção, ou demasiado rápido, dificultando o entendimento. O ideal é alternar ritmos de acordo com a passagem da história. Uma cena de ação poderá ser contada mais freneticamente, enquanto uma cena de suspense pode utilizar mais as pausas. Trabalhe sua impostação de voz sem infantilizá-la desnecessariamente, e tente fazer as vozes de cada personagem. Isso abrilhanta ainda mais a contação.

10 – Lide com as intervenções

As crianças vão querer opinar, falar durante a história, te chamar. Lide com isso da melhor forma possível. Às vezes é possível ignorar, às vezes é necessário inserir aquele elemento na história para “sossegar”a criança. De qualquer forma faça sempre de forma doce, tentando manter o foco no que está sendo contado. Com o tempo você aprenderá a melhor forma de lidar com estas intervenções.

Faltou alguma dica? Comente aqui embaixo!

Agora é mãos à obra, olhos no livro e ótimas histórias!!

Comentários do Facebook